Governo dos EUA amplia acesso dos produtores rurais à internet

Com rede de fibra óptica e acesso gigabit, programa do governo está levando internet de qualidade para o interior do país.


O governo americano, através do seu equivalente ao nosso Ministério da Agricultura, lançou no final de 2015 um programa de financiamento para empresas de telefonia e internet que atuam nas zonas rurais do país, chamado "Recovery Act broadband program". Hoje a iniciativa acumula resultados acima do esperado e algumas empresas até devolveram parte do dinheiro dos empréstimos e instalaram os equipamentos antes do prazo esperado.

Cada residência rural pode obter ligações de banda larga com velocidades de 25 até 100 Mbps e pequenos negócios até 1 Gbps.

Podemos encontrar um bom exemplo da aplicação dos recursos em Stearns, no Kentucky. A pequena cidadezinha de 18 mil habitantes agora tem uma rede de 4300 km de fibra óptica (sim, 4300 mesmo) que atende 21000 imóveis residenciais e 700 pequenos negócios, escolas e demais repartições públicas na região. Tudo através de uma cooperativa de telefonia local com mais de 60 anos de atividade.

Segundo os dados da transparência do próprio programa, a cooperativa recebeu um empréstimo de 66 milhões de dólares para a construção desta rede. No total, o programa financiou 2,8 bilhões em todo o país.

A melhoria vai muito além do acesso internet. A polícia agora mantém câmeras de segurança ligadas na rede, fazendo identificação das placas dos carros que entram na cidade. Órgãos públicos economizam tempo e dinheiro no envio de versões eletrônicas de seus documentos para as capitais e até mesmo um sistema de inteligência pode detectar a compra de componentes para a fabricação de drogas em escala estadual.

Por curiosidade, na mesma época do lançamento do programa americano, a cidade de Não-me-Toque, no Rio Grande do Sul, foi notícia nas páginas do governo federal por receber um investimento no Ministério das Comunicações de R$500 mil para a construção de 14 km de fibra que interligaram 18 pontos de acesso. Não-me-Toque tem cerca de 17 mil habitantes. A notícia pode ser lida neste link.

Claro que você pode pensar em questões sobre diferença de realidade e exagero ao comparar uma cidade americana com Não-me-Toque. Neste caso, indicamos a leitura sobre o FUNTTEL, um fundo bilionário mantido aqui no Brasil com enormes acúmulos de impostos pagos ao longo de décadas.

As cidades do interior precisam e merecem internet de qualidade. Que a iniciativa americana sirva de exemplo.