Emissora de rádio posta fotos de carcaça de ovino e sofre ataque de ativistas

A simples divulgação de uma aula do curso de veterinária da Universidade de Passo Fundo virou alvo de ataques no Facebook.



Parece que virou moda. Já publicamos aqui o caso ocorrido com o Rodrigo Hilbert, atacado na internet e na TV por mostrar em seu programa de culinária o abate de uma ovelha. Eventos parecidos ocorreram com o chef Henrique Fogaça e com a cantora Thalia. Para certos grupos, a ordem é atacar e calar quem mostre qualquer abate, em todos os níveis de exposição em vídeos ou fotos.



Na quarta, 31 de maio, a Rádio Planalto, uma emissora de Passo Fundo, no Rio Grande do Sul, divulgou uma aula especial do curso de veterinária da UPF - Universidade de Passo Fundo, postando no site e no facebook, fotos do evento onde o professor mostrou uma carcaça, técnicas de abate e, com todos os cortes realizados, realizaram um churrasco nas instalações do curso. As imagens não são diferentes de muitas usadas até mesmo em folhetos promocionais de supermercados, como podemos observar:







Logo após a publicação, o facebook da emissora começou a receber diversos ataques de grupos de defesa dos animais, com os mais diversos argumentos, com acusações de "falta de ética" e de que (pasmem) "médicos não comem pacientes".

Parece que muitos defensores dos animais pensam que veterinários trabalham apenas em pet shops. A profissão vai muito além e é do próprio curso de veterinária da UPF que retiramos a lembrança de que o médico-veterinário egresso da UPF "tem formação generalista, com forte atuação nas áreas de produção animal, sanidade animal, saúde pública, higiene, inspeção e tecnologia de produtos de origem animal, clínica e cirurgia de pequenos animais e extensão rural nas pequenas, médias e grandes propriedades".

Vivemos em um mundo livre e democrático. Se pessoas não comem carne, tudo bem. Mas certos ativistas consideram qualquer um que o faça um assassino e um elemento nocivo para a sociedade. Os agricultores e toda a cadeia produtiva não podem baixar a cabeça para esta linha de pensamento. A agropecuária sustenta este país e é o modo de vida de milhões de pessoas. Desejamos também que os meios de comunicação não sucumbam perante estes movimentos, com alguns integrantes peritos em ódio e difamação.

Reforçamos aqui todo o apoio ao curso de veterinária da UPF, para a emissora e toda a comunidade do agro brasileiro.